Temor atinge áreas de classe média e alta de Salvador após protestos no Calabar

salvador
05.03.2020, 05:40:00
Viaturas circulam por Ondina, onde ônibus foi queimado (Betto Jr. CORREIO)

Temor atinge áreas de classe média e alta de Salvador após protestos no Calabar

Ônibus foi queimado, e outro, apedrejado na terça-feira (4)

Apesar de “blindados” por portões com cercas elétricas e câmeras de segurança, moradores dos prédios do Jardim Apipema e Ondina, bairros de classe média e classe média alta da capital, estão apavorados depois que um ônibus foi queimado na Avenida Oceânica. A região faz vizinhança com o Calabar.

O advogado Alexandre Pita, 40 anos, morador de um dos edifícios da Rua Plínio Moscoso, disse que na segunda-feira (3) tinha um compromisso à noite, mas decidiu não ir. “Mesmo sabendo que a situação foi entre a comunidade e a polícia, preferi não arriscar. Moro vizinho à comunidade, e o clima estava muito tenso por aqui. Sei que em Salvador não há lugar seguro, mas o Calabar ainda era uma região tranquila depois da pacificação e isso [a atual situação] nos dá medo”, declarou ele ao CORREIO.

A poucos metros, a reportagem encontrou com o engenheiro David Barreto, 35. Ao ser perguntado se estava com medo por conta de toda a situação, ele respondeu que sim.

“Não temos outra escolha. Para você ter uma ideia, na segunda e anteontem escutei muitos tiros e não dá para confundir com fogos porque são barulhos distintos. A verdade é que aconteceu lá  no Calabar, mas podem, sim, ricochetear aqui”, disse.

Ainda na mesma rua, o zelador Alex José Carneiro, 42, relatou com muita gente do prédio ficou apavorada com a situação. “As pessoas não deixaram se seguir suas vidas, mas já chegavam perguntando se eu sabia de alguma coisa, se aconteceu mais alguma coisa, o medo estava estampado na cara”, contou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas