'Tenho vergonha', diz Wadico Camargo sobre presidente da Fundação Palmares

em alta
28.11.2019, 23:12:00
Atualizado: 28.11.2019, 23:14:17

'Tenho vergonha', diz Wadico Camargo sobre presidente da Fundação Palmares

Músico e produtor musical divulgou um abaixo-assinado contra a nomeação do irmão, Sergio Nascimento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Wadico Camargo à esquerda e o irmão, Sergio Nascimento, à direita
(Foto: Reprodução/Facebook)

O músico e produtor musical Oswaldo de Camargo Filho, o Wadico Camargo, divulgou um abaixo-assinado contra a nomeação do irmão, Sergio Nascimento, para presidir a Fundação Palmares. "SE fosse para o bem da nossa raça!!! Era o primeiro a apoiar, mas pro mau do Negro, sem chance . PRA MIM RAÇA É PÁTRIA É ALMA !!!! EU SOU NEGRÃO", escreveu Wadico, em sua página no Facebook. Até a manhã desta quinta-feira (28), mais de 15,6 mil pessoas já haviam assinado a petição.

O músico também disse sentir vergonha de Sergio.

"Tenho vergonha de ser irmão desse capitão do mato. Sérgio Nascimento de Camargo, hoje nomeado presidente da Fundação PALMARES”, continuou.

Nomeado na quarta-feira (27) ao cargo, o novo presidente da Fundação Palmares, instituição ligada à Secretaria Especial de Cultura, afirmou em suas redes sociais que o Brasil tem um "racismo nutella", defendeu a extinção do feriado da Consciência Negra e declarou apoio irrestrito ao presidente Bolsonaro. 

Camargo também afirmou que a escravidão foi "benéfica para os descendentes" e atacou personalidades como a ex-vereadora do Rio, Marielle Franco, e a atriz Taís Araújo.

A nomeação faz parte de uma série promovida pelo novo secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, para quem Bolsonaro já disse ter dado total liberdade para montar a sua equipe. 

Bolsonaro deu risada ao ser questionado sobre ser alvo de denúncia no Tribunal Penal Internacional (TPI). "Próxima pergunta", disse.

O presidente foi denunciado por "crimes contra a humanidade" e "incitação ao genocídio de povos indígenas" do Brasil. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a representação é da Comissão Arns e do Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos. A representação também foi assinada pelo ex-ministro José Gregori e pelos advogados Antonio Carlos Mariz de Oliveira, Eloisa Machado e Juliana Vieira dos Santos. As declarações de Bolsonaro nesta quinta foram dadas em frente ao Palácio da Alvorada.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas