Trilhas: Delações às mãos cheias

trilhas
22.04.2017, 08:16:00
Atualizado: 22.04.2017, 08:16:55

Trilhas: Delações às mãos cheias


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Além de velho, corrupto, ineficiente, incompetente, o Brasil está chato, animado – de anima, alma – praticamente pelas delações da Lava Jato! A única coisa que movimenta o interesse no Brasil, hoje, são as delações. Mesmo assim, a melhor de todas já rolou, a delação Odebrecht, que ofuscou completamente a delação Feira & Xepa. Como é que João Santana, um homem de marketing, entrega seu momento de glória delatando logo depois de Emílio e Marcelo Odebrecht? O resultado foi uma delação completamente xoxa e óbvia que não saiu da Caixa Dois.

Léo Pinheiro reanimou a arena contando que Lula é Brahma, que Lula é o dono do Sítio de Atibaia, do triplex de Guarujá e que mandou ele, Léo, destruir algumas provas de propinas. Lula já negou, mas convenhamos que, atualmente, Lula nega até que é Lula! Imaginem se vai assumir que é Brahma, o número um da rapinagem. Como o Brasil não consegue criar nada que interesse à população além das delações, aguardemos a próxima delação, a de Palocci que, finalmente, soltará a língua para contar como o dinheiro recolhido pelo Italiano das planilhas, ele, era repartido. E oremos para que a delação inclua a propriedade do apartamento de sete milhões que obrigou Rousseff a demiti-lo. Chega de patifarias pendentes! 

Rousseff, aprendiz de Lula, também nega tudo! Nega as delações no Brasil e no exterior com os mesmos argumentos: “É golpe!”, “Fora Temer!”, “Eu sou a presidente constitucional do Brasil”, “Nas duas eleições, minha orientação sempre foi clara e direta para que fosse respeitada a legislação eleitoral em todos os atos de campanha. Nunca tive conhecimento de que minhas ordens tenham sido desrespeitadas”. Com esses argumentos e o uso excessivo do advérbio não, Dilma diz que os Odebrecht mentem, que Feira & Xepa mentem porque ela, a presidente constitucional do Brasil, não foi eleita com Caixa Dois como delatado. Mas as tornozeleiras dizem outras coisas.  

E há, ainda, os admiradores de Lula, do Brahma, do número um, que acreditam nas delações parcialmente, apenas quando elas delatam os políticos do PSDB e do PMDB. Esses discípulos continuam dizendo que Lula, o Pelego-Mor, que Lula & Dilma & o PT & o Fora Temer tiraram milhares de brasileiros da pobreza, ignorando que os brasileiros que saíram da pobreza pra ela já voltaram, e que outros milhares de brasileiros perderam seus empregos – 13 milhões -, seus negócios, suas criações artísticas significantes para o desemprego, a desesperança e para essa grande merda em que o Brasil se transformou com a mentira e o populismo lulopetistas. 

E além das delações, nada. As delações alimentam as notícias, as delações são os conteúdos das discussões, e ao redor das delações resta um grande vazio de ideias, de projetos e de pensamento. A Bahia, que está no topo da corrupção contemporânea, território da Odebrecht e da OAS, terra natal de Duda Mendonça, de Feira e de Xepa, não consegue produzir uma programação sedutora que provoque conversas inteligentes nos fins das noites. Alguma coisa que afaste os soteropolitanos do estado de indignação e/ou alienação permanentes em que se encontram.

Aninha Franco é escritora e pensadora

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas