Trump inclui Xiaomi em lista de 'empresas militares comunistas chinesas'

mundo
15.01.2021, 14:00:18
Atualizado: 15.01.2021, 14:08:25
(Greg Barker/AFP)

Trump inclui Xiaomi em lista de 'empresas militares comunistas chinesas'

Com decisão, investimentos na empresa ficam restritos no país

A fabricante chinesa de equipamentos eletrônicos Xiaomi foi incluída na lista de "empresas militares comunistas chinesas" pelo governo do presidente americano Donald Trump. Com isso, a empresa é tida como ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos e fica sujeita a novas proibições de investimentos.

A decisão foi divulgada pelo Departamento de Defesa americano nesta sexta-feira (15). Investidores americanos estão obrigados a venderem sua participação na empresa até novembro de 2021, e não podem mais comprar ações da companhia chinesa. Com o acontecido, as ações da Xiaomi despencaram 10% na Bolsa de Valores de Hong Kong na manhã de hoje.

Em comunicado, a Xiaomi negou que sofra influência do exército chinês, e que trabalha em conformidade com leis e regulamentos dos países em que possui negócios. "A empresa reitera que fornece produtos e serviços para uso civil e comercial", afirmaram.

Terceira maior fabricante de celulares do mundo, a Xiaomi chegou a faturar US$ 11 bilhões no terceiro trimestre de 2020, vendendo cerca de 47,1 milhões de smartphones, o que representa um crescimento de 45% em relação ao mesmo período no ano anterior.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas