Trump inventa atentado na Suécia em discurso contra migrantes

mundo
19.02.2017, 18:17:00

Trump inventa atentado na Suécia em discurso contra migrantes

A fala foi para justificar o decreto para impedir a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos, que foi suspenso pela Justiça

O presidente estadunidense Donald Trump inventou história que nunca existiu em evento no último sábado (Foto: AFP)

Ao discursar para simpatizantes na Flórida no último sábado (18), o presidente estadunidense, Donald Trump, se referiu a um ataque terrorista na Suécia que nunca aconteceu. "Vejam o que está acontecendo na Alemanha, o que aconteceu ontem à noite na Suécia. A Suécia, quem iria acreditar? Suécia. Eles receberam muitos refugiados. Estão tendo problemas que jamais imaginaram", afirmou.

Isso aconteceu num comício no Aeroporto Internacional de Orlando-Melbourne. A fala do político foi para justificar seu decreto para impedir a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos, que foi suspenso pela Justiça.

A porta-voz do Ministério do Exterior do país nórdico, Catarina Axelsson, disse que o governo não tem conhecimento de nenhum incidente ligado ao terrorismo e acrescentou que a embaixada da Suécia nos Estados Unidos contatou o Departamento de Estado para esclarecer a declaração.

A Suécia tem uma longa tradição de acolhimento de refugiados e imigrantes, e recebeu 163 mil pedidos de refúgio em 2015. Desde então, limitou o número anual de pessoas que pode acolher. O mais recente ataque terrorista por lá ocorreu em dezembro de 2010, na capital, Estocolmo, quando um cidadão sueco nascido no Iraque detonou dois explosivos, matando apenas a si mesmo.

No Twitter, rede social preferida de Trump, os usuários faziam piadas com as hashtags #lastnightinSweden (#ontemànoitenaSuécia) e #SwedenIncident (#IncidentenaSuécia). O ex-primeiro-ministro sueco Carl Bildt perguntou: "Ataque terrorista? O que você fumou? Muitas perguntas". Já Gunnar Hökmark, um membro sueco do Parlamento Europeu, retuitou uma mensagem: "#ontemànoitenaSuécia meu filho derrubou seu cachorro-quente na fogueira. Que triste! Como ele poderia saber?".

Em seu primeiro mês na Casa Branca, Trump tem sido alvo de críticas por mencionar coisas que jamais ocorreram como se fossem verdades. Sua assessora Kellyanne Conway, que tornou famosa a frase "fatos alternativos", se referiu ao "massacre de Bowling Green" durante uma entrevista.

E o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, fez três referências em uma semana a um atentado em Atlanta. Posteriormente disse que queria ter dito Orlando, a cidade da Flórida na qual um americano de origem afegã matou 49 pessoas em uma boate gay no ano passado.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas