Um novo amor de mãe

bahia
10.05.2020, 21:32:38
Atualizado: 12.05.2020, 18:24:19
Liz Lacerda curtiu o rei Roberto Carlos com a filha, e definiu a live como um presente de dia das mães (Reprodução )

Um novo amor de mãe

O carinho é o mesmo, mas em meio à pandemia a data ganhou novos significados para mães e filhos em todos os lugares

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nem toda a mãe é igual. Algumas mais duras, outras brincalhonas. Tem as modernas e também aquelas que não entendem muito para que lado vão as novas tecnologias. Mas claro, existem muitas coincidências, e dentre estas podemos falar do amor. Aí sim. O amor de mãe é muito especial e representa muito para cada filho ou filha que veio e ainda virá ao mundo. Mas como tudo em 2020, precisamos observar as coisas de uma nova perspectiva, afinal, não estamos vivendo dias comuns. 

E no dia das mães deste ano a presença virtual ou física valeu como nunca, e será lembrada para sempre. Foi assim que a educadora física, Liz Lacerda, de 47 anos, encarou a comemoração da data. Ao lado da filha, Maria Fernanda, 19, ela fez valer dos recursos tecnológicos e aproveitou bastante o domingo, a começar pelas rosas distribuídas pelo rei Roberto Carlos. 

Liz é fã de carteirinha do cantor e lembra que puxou o gosto pela sua mãe: “Dentro dessa situação que estamos vivendo eu brinquei que a live de Roberto foi um presente. Ele marcou muito a minha infância, já que sempre escutei ele e tinha seus LP´s. Tudo por influência de minha mãe”, comentou.

Liz Lacerda é fã do rei Roberto Carlos desde a inância. Tudo por influência de seua mãe, que esse ano estava distante dela (Foro Reprodução)

Esse também era o clima na casa de Ana Acioli, 43. A auxiliar administrativa pôde estar juntos aos filhos, Natally e Renato, e acompanhou a transmissão de Roberto Carlos, mas ficou faltando a participação de sua mãe, dona Maria de Lourdes. Para ficar mais próxima e matar um pouco da saudade, antes de ligar a tv fez uma ligação de vídeo com ela. 

Parece pouco, mas para Ana o contato com mãe  e a presença dos filhos já fez valer o domingão. “Foi um dia muito legal. Muitas mães não tiveram a chance de estar por perto, mas deixa a gente mais à vontade e aproxima os parentes”, avaliou. 

A relação com as redes, aliás, quebra barreiras e, mais do que nunca, também molda as relações que temos com os outros. Liz acredita que é preciso valorizar ainda mais esses momentos e “eternizar em nossos corações”, completou. “Esse talvez seja o nosso ‘novo normal’, e que sejamos capazes de perceber os sentimentos não deixam de existir, mesmo quando a distância impede a presença física”, definiu.

Ivete Sangalo e Roberto Carlos animaram o dia das mães com suas lives (Foto: Reprodução)

 E se as lives agora fazer parte desse cotidiano, a aposentada Gal Amorim levou a sério a missão de acompanhar cada um dos shows. O dia das mães começou com Michel Teló, passou para Roberto Carlos, seguiu com Veveta e ainda tinha espaço para Daniel, Zezé Di Camargo e Luciano, e, pra finalizar, Seu Jorge.

“Se fosse um dia normal estaríamos na casa de minha irmã com mais gente, com as outras mães da família”, lembrou. E Entre uma live e outra, afirmou que as lives e a conexão virtual não superam a ausência física, mas a emoção que causa é diferente, ainda mais se estiver com os filhos, como era o caso dela.  

Dia das mães com o CORREIO

E se a vide do domingo não foi curtir com os shows dos artistas, o CORREIO transmitiu ao vivo um bate-papo entre duas mamães para falar sobre maternidade nos dias atuais. A editora do Só Se Vê no CORREIO Doris Miranda recebeu a também jornalista e digital influencer Tia Má - Maíra Azevedo - e o papo rendeu muitas reflexões e debates sociais que cercam a maternidade, além de lembranças sobre as fases que as mães passam na criação dos filhos.

Agora com a pandemia, o papel dos pais em auxiliar com as aulas a distância também foi tema do papo descontraído. “Não mais tarefa com ele por questão de sanidade. Às vezes o que é fácil para a gente está na fase de aprendizado para a criança, e eu ficava nervosa demais”, brincou Tia Má.

Doris Miranda conversou com Tia Má sobre a maternidade nos dias atuais (Foro: Reprodução)

 A jornalista também aproveitou o momento para falar de uma doação que fará ao rapaz que teve as cadeiras de plástico roubadas, enquanto ajudava pessoas que estavam na espera da fila para retirar o auxílio na Caixa Econômica. As 18 cadeiras de plástico que foram levadas serão dadas pela influencer.

Fama repentina 

Mais tarde, para quem continuou ligado na programação do CORREIO, deu boas risadas com a live da blogueira Bruna Carvalho, ou melhor, Cereja (@cerejaaaaaa). A baiana de 27 anos virou um sucesso repentino no meio do humor, quando postou um vídeo em seu Instagram onde falava do cotidiano da Avenida Sete, aqui em Salvador. De março (mês que o vídeo foi postado) até hoje, Cereja ganhou mais de 20 mil seguidores, e disse que ainda não se acostumou com a situação.

“Eu gostei muito da oportunidade de participar da live do CORREIO, mas estava muito nervosa porque foi a minha primeira live”, revelou Cereja. Entre os temas tratados pela humorista durante a transmissão foram as mães, claro. E a inspiração de falar sobre as frases comuns das mães, os tipos de mãe, e situações que cada um vive no seu cotidiano, vieram pela convivência com a avó.

“Me espelhei nela, que é uma pessoa mais velha, e na forma com que ela falava com minhas tias e minha mãe. Sempre achei muito engraçado as coisas que ela falava, cheguei a gravar alguns vídeos com ela para me divertir”, contou Cereja. 

E se você ficou curioso para saber o porquê dela ser chamada assim, aqui vai: quando ela era mais nova, o grupo de amigas resolveu que cada uma deveria ter o seu nome seguido de um sobrenome que fosse uma fruta. Tinha ‘fulana morango, ‘sicrana abacaxi’, e por aí vai. Na época, usava o cabelo em tons vermelhos e aí escolheu cereja como seu sobrenome de artista. “Minhas amigas largaram isso com o tempo, mas eu decidi manter”, brincou. 

E a fama de Cereja já está chegando até fora do país, em locais como Portugal, França, Luxemburgo e Itália. Por ter uma temática que brinca com o dia-a-dia do baiano, muita gente que mora fora mas tem o coração aqui no estado manda mensagens elogiando e se divertindo com o trabalho dela.

“Sou eu quem cria todos os conteúdos, e eles tem corrido rapidamente nas redes sociais. Quando acordo já começo a pensar em coisas novas e me inspiro. A mente espairecer e muita gente está curtindo”, completou.

 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas