Vento destelha casa e deixa rua sem energia elétrica na Caixa D'Água

salvador
03.10.2017, 16:36:00
Atualizado: 03.10.2017, 16:55:26

Vento destelha casa e deixa rua sem energia elétrica na Caixa D'Água

Moradores contaram que redemoinho causou danos em imóveis e fiação; Inmet diz que fenômeno é normal nessa época do ano

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Era por volta de 11h desta terça-feira (3) e o almoço já estava quase pronto na casa da artesã Dilma da Silva Vieira, 53 anos, no bairro da Caixa D’Água, em Salvador. Ao sentar no sofá para ver TV, enquanto a comida terminava de cozinhar, ela foi surpreendida por um barulho. "Uma porrada muito forte. Achei que uma casa inteira tivesse desabado", lembra ela.

Moradora da Rua Juazeiro há 36 anos, Dilma foi até a janela de casa e se deparou com parte da estrutura do telhado da laje do vizinho caída sobre o carro dela. Os moradores contaram que uma ventania arrastou as telhas e danificou os fios, deixando parte da rua sem energia elétrica.

"Eu tomei um susto tão grande. Moro aqui há esse tempo todo e nunca vi nada assim. Fiquei arrasada quando vi o estrago", contou ao CORREIO, enquanto acompanhava as ações de três funcionários da Companhia de Eletricidade do Estado (Coelba) que trabalhavam para reestabelecer a energia, religada por volta das 13h.

A artesã Dilma Vieira observa os estragos da ventania (Foto: Mauro Akin Nassor/CORREIO)

Além do susto, Dilma também vai ter que lidar com o prejuízo, já que o carro dela, modelo Fiat Strada, ficou parcialmente destruído na lateral esquerda. Ela contou que estava sozinha em casa no momento da ventania, e que o carro danificado foi comprado há um mês, mas a moradora ficou aliviada porque o veículo está coberto pelo seguro. "É minha sorte. Agora eu vou acioná-los [seguradora] para ver o que podem fazer, já que quase nem tivemos tempo de usar [o carro]", lamenta.

O estrago no veículo foi causado não só pelas telhas, mas também por grandes pilares de madeiras que ajudavam a sustentar o telhado da cobertura de uma casa vizinha à da artesã. A família que mora no imóvel que teve parte da cobertura destelhada não foi encontrada pelo CORREIO para comentar o incidente.

A força do vento assustou os moradores da Caixa D'Água (Foto: Mauro Akin Nassor/ CORREIO)

Redemoinho
E o que não faltou foi gente tentando desvendar o que houve para que a velocidade do vento estivesse forte a ponto de tamanho estrago. Cunhada de Dilma, a dona de casa Nilda Vieira, 56, mora ao lado e narrou ao CORREIO o que viu e ouviu.

"Estava vendo televisão, de repente, muita areia entrou aqui em casa, no meu olho, fiquei agoniada. Alguns segundos depois, eu olhei para a rua e vi as folhas de uma árvore balançarem muito forte; achei que iam cair. Já estava levantando para fechar a porta e a janela, quando a telha caiu aqui", relata a dona de casa.

Para a dona de casa, a ventania mais se assemelha a um redemoinho. "Era muito, muito forte. Moro aqui há mais de 30 anos e nunca vi nada nem parecido. Minha vontade era sair correndo, sem olhar para trás".

Os destroços acertaram o carro que foi comprado há um mês (Foto: Mauro Akin Nassor/ CORREIO)

Morador do local há três décadas, o funcionário público Ronaldo Barcellos, 54, concorda com a vizinha. "Observe que aqui é um lugar baixo. Ele [redemoinho] deve ter descido por ali, subido de vez e causado todo esse estrago", disse ele, ao comentar a topografia da localidade.

Segundo a meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Cláudia Valéria, os moradores podem ter razão. Os redemoinhos são comuns nessa época do ano.

“São fenômenos típicos das estações Primavera-Verão e são provocados pela elevação da temperatura, nesse período de transição. Eles são comuns no Semiárido, mas acontecem com menos frequência nas áreas urbanas, por conta das construções”, contou a especialista.

De acordo com o Inmet, nesta terça foram registrados ventos de até 28 km/h em Salvador, com média de 9 km/h. Os especialistas consideram a velocidade dentro da normalidade para o período. A previsão é que os ventos continuem fracos e moderados nos próximos dias, com tempo nublado e parcialmente nublado, e temperaturas oscilando entre 21°C e 29°C.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas