Vereadora do PSOL é morta a tiros dentro de carro no Rio

brasil
14.03.2018, 22:35:21
Atualizado: 15.03.2018, 00:05:03

Vereadora do PSOL é morta a tiros dentro de carro no Rio

Minutos antes do crime, Marielle participou do evento de empoderamento feminino e ativismo contra o racismo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Marielle deixa uma filha (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil do Rio de Janeiro está a procura dos suspeitos que mataram a vereadora Marielle Franco (PSOL) na noite desta quarta-feira (14), no Centro do capital carioca. Ela foi baleada dentro de um carro na Rua Joaquim Palhares. O motorista do veículo também foi morto a tiros. A assessora sobreviveu.

Carro onde aconteceu o crime (Foto: Divulgação)

Equipes do 4° Batalhão da Polícia Militar (São Cristóvão) esteve no local, mas ninguém foi preso. Também não há informações sobre a identificação dos suspeitos. Os criminosos teriam emparelhado um outro carro ao lado do veículo onde estavam as vítimas. Eles fugiram sem levar nada.

Minutos antes do crime, Marielle participou do evento de empoderamento feminino e ativismo contra o racismo 'Jovens Negras Movendo as Estruturas', que aconteceu na Casa das Pretas, na Lapa. O evento foi transmitido ao vivo na página do Facebook da vereadora.

Marielle era socióloga com mestrado em Administração Pública e presidente da Comissão da Mulher da Câmara. Com 46.502 votos nas eleições de 2016, ela foi a quinta vereadora mais votada do Rio. Vítima deixa uma filha.

Denúcia
No dia 11 de março, a vereadora usou seu perfil no Facebook para denunciar a morte de dois jovens e a truculência policial em ações na zona norte do Rio de Janeiro. Na publicação, ela acusa a PM de matar e jogar os corpos de dois jovens da comunidade em um valão.

"Precisamos gritar para que todos saibam o está acontecendo em Acari nesse momento. O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior", diz na postagem.

Segundo o jornal Dia, a PM confirmou que realizou uma operação na comunidade, mas não confirmou as mortes e nem falou sobre as denúncias.

Foto: Reprodução

Violência no Rio
Nesta quarta o PSOL protocolou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a intervenção federal de natureza militar no Rio de Janeiro. No pedido, o partido de oposição pede a concessão de medida cautelar suspendendo os efeitos do decreto de intervenção.

Passado quase um mês da edição do decreto, o líder da bancada na Casa, deputado Ivan Valente (SP), concluiu que a intervenção foi midiática, inconstitucional e sem planejamento. Valente lembrou que os conselhos da República e da Defesa Nacional também não foram ouvidos antes da decisão presidencial de intervenção.

O partido alega que os direitos individuais dos cidadãos estão comprometidos e que ações já implementadas no Rio demonstram isso. "É mais violência sobre a população pobre, negra e excluída do País", avaliou a legenda.

Paralelamente à ação no STF, o partido protocolou na Câmara um projeto que determina a implementação de programa de intervenção social para prevenção da violência em áreas onde os índices de violência estiverem acima da média nacional, onde houver operações para Garantia da Lei e Ordem (GLO) ou intervenção federal.

O PSOL afirma que onde houver ação interventora do Estado, é preciso haver uma compensação social. "Tudo o que se gastar em segurança se gastará na área social", explicou Valente.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pf-cumpre-mandados-contra-quadrilha-que-fraudou-mais-de-r-4-milhoes-do-inss/
O grupo é investigado por, pelo menos, 80 benefícios previdenciários suspeitos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/5-filmes-que-voce-deve-assistir-para-apreciar-as-trilhas-de-ennio-morricone/
Compositor, que morreu aos 91 anos, era grande nome da música no cinema
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rapper-baiano-hiran-lanca-segundo-disco-galinheiro/
Disco tem participações especiais de Tom Veloso, Majur e outros artistas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-ja-esta-disponivel-no-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/netos-de-luiz-gonzaga-divulgam-nota-de-nojo-por-uso-de-musica-em-live-de-bolsonaro/
Jair Bolsonaro convidou o presidente da Embratur para tocar durante a live da última quinta
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/como-tratar-a-dor-da-chikungunya-entenda-fases-da-doenca/
Registro de casos aumentou 440% na Bahia nos últimos seis meses; sintoma pode se tornar crônico e durar anos
Ler Mais