'Vim para o Bahia por amor, para ser feliz', diz Fernandão

e.c. bahia
23.01.2019, 19:21:45
Atualizado: 24.01.2019, 09:46:48
Fernandão assinou contrato com o tricolor até 2020 (Felipe Oliveira / EC Bahia)

'Vim para o Bahia por amor, para ser feliz', diz Fernandão

Atacante garante que pode jogar ao lado de Gilberto no ataque tricolor

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Fernandão foi apresentado na noite desta quarta-feira (23) no palco onde conquistou o coração da torcida tricolor: a Fonte Nova. Em 2013, na sua única passagem pelo Esquadrão, o atacante marcou 18 gols, sendo 11 na arena.

O camisa 20 garante que a raça e a determinação mostradas em 2013, que tanto chamaram a atenção da torcida, seguem firmes: "Nada mudou. Será a mesma raça, e agora um pouco mais experiente. Vim com uma vontade enorme de ajudar o Bahia", disse.

"Vim para cá por amor, para ser feliz. E vou buscar isso de qualquer jeito", Fernandão, novo atacante do Bahia

Sobre a principal dúvida da torcida, Fernandão garante que pode jogar ao lado de Gilberto, também centroavante: "Falando por mim, acho que tem condições. Se a gente obedecer taticamente o que o treinador pedir, a gente consegue. Vai depender do treinador. Mas o mais importante é que cada um dê o seu máximo".

O atacante confirmou que não se adaptou à vida na Arábia Saudita e que desejava retornar ao Brasil. "O Al-Wehda foi difícil para mim, não consegui realmente demonstrar o meu futebol por lá", reconheceu. "O Bahia tem um elenco muito qualificado e isso facilitou na minha escolha".

Fernandão confirmou estar sem ritmo e não quis cravar data para a estreia: "Eu vim para o Brasil no final do ano passado, após um acontecimento (a perda da filha dias antes do parto). Fiquei esse tempo sem treinar e jogar. Então é passo a passo, vamos conversar com a comissão e montar o planejamento da melhor forma".

Diretor de futebol do Bahia, Diego Cerri falou da dificuldade que enfrentou para negociar com Fernandão: "Deu trabalho... Nos últimos dois anos estivemos juntos algumas vezes, tentamos, mas não aconteceu. Talvez o clube não estivesse preparado naquele momento, nem Fernandão".

"Agora, todos perceberam que era hora para flexibilizar de uma parte e facilitar do outro lado. Ele não vem para ser o salvador da pátria. A gente tem um elenco qualificado e queremos que ele seja um líder de elenco para chegar e ajudar a trazer os títulos que o clube almeja", completou o diretor.

O centroavante estava no Al-Wehda, da Arábia Saudita, e assinou contrato com o Bahia até o final de 2020. Ele é o maior artilheiro do Bahia em uma edição do Campeonato Brasileiro, naquele ano de 2013, com 15 gols marcados em 34 jogos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas