Woody Allen: o ocaso de um gênio triste

paulo sales
07.10.2019, 05:00:00

Woody Allen: o ocaso de um gênio triste


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Woody Allen pouco se importa com a posteridade. Em entrevista ao jornal espanhol El País, na semana passada, ele afirmou: “Não me interessa meu legado, não me interessa o que farão com os meus filmes quando eu já não estiver, podem jogá-los no mar. Uma vez que estamos mortos, estamos mortos. Acabou-se”. Mas é pouco provável que a posteridade lhe seja tão ingrata. Quando revemos seus melhores filmes, nos damos conta do quanto permanecem íntegros, charmosos, atuais. E mesmo ele estando já longe do seu auge, é sempre um prazer cumprir uma vez por ano a visita sagrada a uma sala de cinema para conferir seu novo trabalho.

Nos últimos tempos, isso tem sido mais difícil. Depois que a grave acusação de abuso sexual feita por sua filha adotiva, Dylan Farrow, foi encampada pelo Me Too, Allen se viu de volta a um turbilhão do qual já havia saído anos antes, quando o processo foi julgado e ele, inocentado. Reconheço a relevância do movimento feminista, que entre outras proezas conseguiu implodir a reputação de um canalha do quilate do produtor Harvey Weinstein, predador sexual que usava das piores táticas para estuprar ou tentar seduzir mulheres. Mas, como toda onda avassaladora e sem freio, o Me Too cometeu a meu ver uma injustiça contra Allen.

Não que duvide do que disse Dylan. Mas, depois de ler sobre o assunto, me parece evidente que ela sofreu o que na psicologia é chamado de alienação parental – ou memória emprestada, para usar o termo de Oliver Sacks. Em outras palavras, uma manipulação psicológica tão pesada, promovida ou induzida por pais ou avós, que faz com que a criança realmente acredite ter sofrido um trauma. O depoimento do irmão de Dylan, Moses, parece confirmar a tese de que a convivência com Mia Farrow era um pesadelo sem direito a despertar. Na entrevista ao El País, Allen é lacônico ao comentar o caso. Parece exaurido, triste.

Com tudo isso, o lançamento do seu filme mais recente, A Rainy Day in New York, acabou cancelado nos Estados Unidos, após um imbróglio com a Amazon. Na Europa, a estreia é no fim do ano e por aqui ele chega no início de 2020. A carreira do cineasta em seu país está praticamente encerrada, o que é um ocaso desolador. Poucos autores foram tão felizes em reproduzir o universo particular de uma cidade como ele fez com sua Nova York. A boa notícia é que está rodando um novo filme na Espanha.

Allen é meu cineasta preferido, ao qual volto sempre que possível. Sua obra condensa e amplifica questionamentos primordiais da humanidade, oferecendo de bandeja um olhar muito peculiar sobre o mundo: a alta cultura, o humor impagável, a sensibilidade, o pessimismo atávico, a herança judaica como bênção e maldição (mais maldição do que bênção), o jazz, a relação entre culpa e pecado tomada emprestada de Dostoiévski, a melancolia que emula Fitzgerald. E, acima de tudo, a evocação da beleza e do amor como preciosidades da civilização.


A seguir, uma lista afetiva e pessoal dos 10 melhores filmes de Woody Allen:

Crimes e Pecados/1990
Crimes e Pecados/1990 (foto/divulgação)
Manhattan/1979
Manhattan/1979 (foto/divulgação)
Hannah e Suas Irmãs/1986 
Hannah e Suas Irmãs/1986  (foto/divulgação)
Match Point/2006
Match Point/2006 (foto/divulgação)
Interiores/1978
Interiores/1978 (foto/divulgação)
Setembro/1987
Setembro/1987 (foto/divulgação)
Maridos e Esposas/1993
Maridos e Esposas/1993 (foto/divulgação)
 Desconstruindo Harry/1997
Desconstruindo Harry/1997 (foto/divulgação)
Noivo Neurótico, Noiva Nervosa/1977
Noivo Neurótico, Noiva Nervosa/1977 (foto/divulgação)
Tiros na Broadway/1995
Tiros na Broadway/1995 (foto/divulgação)


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais