DATA VENIA

Advogados de Salvador são investigados por apropriação indébita e falsidade ideológica

A operação apreendeu 10 mil dólares em espécie, documentos e celulares

  • Foto do(a) author(a) Da Redação
  • Da Redação

Publicado em 24 de abril de 2024 às 09:36

Imagem Ilustrtiva
Imagem Ilustrtiva Crédito: Shutterstock

O Ministério Público estadual deflagrou, na manhã desta quarta-feira (24), uma operação contra dois escritórios de advocacia e seus sócios, que estão atuando em Salvador por meio de um esquema conhecido como advocacia predatória, que consiste no ajuizamento em massa de ações com pedido semelhantes em face de uma pessoa ou de um grupo específico.

Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão em Salvador, expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da capital, contra quatro advogados e seus respectivos escritórios, que atuavam de forma independente e autônoma.

Também foi determinada a suspensão do exercício da atividade de advocacia dos investigados e a indisponibilidade de ativos na ordem de R$ 309.151,00 de dois escritórios de advocacia e de seus sócios. A operação apreendeu 10 mil dólares em espécie, documentos e celulares.

Intitulada 'Data Venia', a operação, deflagrada pelo Grupo de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco), é resultado de procedimento investigatório criminal que apura a prática dos crimes de uso e falsificação de documento particular e apropriação indébita, previstos nos artigos 298, 304 e 168 do Código Penal Brasileiro.

Oito promotores de Justiça participaram da operação, com o apoio da Polícia Civil, por meio da Coordenação de Operações e Recursos Especiais (Core) e de seis advogados indicados pela Ordem dos Advogados do Brasil na Bahia (OAB-BA). Os mandados foram cumpridos nos bairros do Horto Florestal, Caminho das Árvores, Graça e Comércio.

O presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB da Bahia, Victor Gurgel, disse que a comissão acompanhou a ação para atender um requisito legal, uma vez que operações dessa natureza devem correr dentro dos limites legais e respeitar as prerrogativas da advocacia. "Correu tudo dentro da legalidade e os investigados colaboraram", destacou.

De acordo com levantamento realizado pelo Centro de Inteligência da Justiça Estadual da Bahia (Cijeba) do Tribunal de Justiça, foram ajuizadas milhares de ações judiciais, sobretudo perante as Varas do Juizado Especial de Defesa do Consumidor, em face de uma mesma instituição bancária, com uso de documentos adulterados.

Apenas um dos escritórios ajuizou, ao menos, 2.653 ações contra um único banco, entre os anos de 2020 e 2022, utilizando-se de falsificação e uso de documentos falsos. Durante as investigações, apurou-se que diversas ações judiciais foram propostas sem o completo conhecimento das partes, ou em favor de parte autora já falecida, como se ainda estivesse viva.