Entenda briga por gado que motivou duas chacinas e homicídio de ciganos na Bahia

11 pessoas da mesma família foram assassinadas entre agosto e outubro do ano passado

  • Foto do(a) author(a) Maysa Polcri
  • Maysa Polcri

Publicado em 5 de março de 2024 às 18:00

Policiais cumprem mandados na Operação Hera
Policiais cumprem mandados na Operação Hera Crédito: Divulgação/Polícia Civil

Os assassinatos de 11 pessoas em três cidades da Bahia, entre agosto e outubro do ano passado, tiveram a mesma motivação: uma briga por compra de gado em 2016. A disputa entre dois grupos ciganos foi responsável por duas chacinas, em Feira de Santana e Jequié, além de um homicídio em Rafael Jambeiro. Segundo a Polícia Civil, o mandante dos crimes quis se vingar após a apreensão de um gado de origem ilícita comprado há oito anos.

“Tudo começou em 2016, quando o mandante adquiriu alguns bois e alguém de outra comunidade cigana teria avisado a polícia que o gado adquirido não tinha sido do real proprietário. A partir daí, uma investigação foi feita, os bois foram apreendidos e devolvidos ao dono verdadeiro”, explica Heloísa Campos de Brito, delegada-geral da Polícia Civil.

Nesta terça-feira (5), dois suspeitos de participação nos crimes foram presos. Entre eles, um policial militar da reserva. Outro mandado de prisão foi cumprido, mas o homem já se encontrava preso no Conjunto Penal de Feira de Santana. 

Os investigadores ainda não sabem se entre 2016 e 2023 outros crimes foram cometidos entre os grupos de ciganos. “O mandante das chacinas ficou com o prejuízo pela perda dos bois e também respondeu a um procedimento de investigação. A única ligação que conseguimos estabelecer foi a discórdia que teria criado a inimizade entre essas famílias de Inhambupe e Alagoinhas”, completa a delegada.

“Em princípio, não sabemos porque houve esse delay de oito anos. O que percebemos é que quando acontecem discórdias, um cigano sai de sua comunidade e vai para outro local. Anos depois, ele retorna com o sentimento de que a coisa se acalmou. Pode ser que isso tenha acontecido”, diz Heloísa Campos de Brito.

Relembre a cronologia dos crimes

14 de agosto de 2023: Quatro ciganos de uma mesma família foram mortos após um ataque de um grupo armado em um restaurante em Feira de Santana. O crime aconteceu na Rua J.J Seabra, no centro da cidade. As vítimas foram identificadas como Amilton Valadares, de 50 anos, Agnaldo Souza Júnior, de 35 anos, Altamir Santos, 27, e Jofre Souza, de 49 anos.

3 de outubro de 2023: O corpo de Iomar Barreto Cabral, de 22 anos, foi encontrado com marca de tiros em um carro no município de Rafael Jambeiro, a 200 quilômetros de Jequié. Ele era casado com Natiele Andrade de Cabral, 22, que estava grávida de nove meses e foi uma das vítimas da chacina que aconteceu dois dias depois

5 de outubro de 2023: Dois dias depois da morte de Iomar, Natiele e outras cinco pessoas da mesma família de ciganos foram mortas em um ataque a tiros em Jequié. O crime aconteceu no bairro Amaralina. As vítimas foram identificadas Laiane Andrade Barreto, 5 anos, Elismar Cabral Barreto, de 23 anos, Sulivan Cabral