Incêndio no Havaí é o mais mortal dos EUA no último século; veja o que se sabe até agora

As autoridades locais confirmaram 96 mortos

  • Foto do(a) author(a) Estadão
  • Estadão

Publicado em 14 de agosto de 2023 às 21:28

null Crédito: Zeke Kalua County of Maui

O violento incêndio florestal que varreu uma cidade pitoresca na ilha Maui, no Havaí, já é considerado o mais mortal registrado nos Estados Unidos no último século. Enquanto os moradores lamentavam os mortos e desaparecidos, as autoridades alertaram que o número total de vítimas humanas e ambientais ainda não era conhecido e que a recuperação da destruição causada pelas chamas estava apenas começando.

O governador do Havaí, Josh Green, disse que mais de 2,7 mil estruturas foram destruídas em Lahaina, a área mais atingida, e "um valor estimado de US$ 5,6 bilhões desapareceu". Green disse que a resposta foi "abrangente" nos últimos dias: "Estamos trazendo toda a força do governo para tentar fazer tudo o que pudermos para aliviar o sofrimento". A maioria das construções engolidas pelas chamas eram residências.

Mesmo onde o fogo recuou, as autoridades alertaram que subprodutos tóxicos podem permanecer, inclusive na água potável, depois que as chamas expeliram vapores venenosos. E muitas pessoas simplesmente não têm casa para onde voltar - então as autoridades planejam abrigá-las em hotéis e aluguéis de temporada.

Veja o que se sabe até o momento sobre os incêndios florestais no Havaí.

Quantas pessoas morreram e quantas estão desaparecidas?

As autoridades locais confirmaram 99 mortos. O número de mortos pode aumentar à medida que equipes de busca especializadas vasculham as ruínas devastadas de Maui em busca de restos humanos - não se sabe exatamente quantas pessoas estão desaparecidas. "Vai aumentar", comentou o governador Josh Green no sábado, enquanto visitava a devastação na histórica Front Street. "Será certamente o pior desastre natural que o Havaí já enfrentou... Só nos resta esperar e apoiar quem está vivo. Nosso foco agora é reunir as pessoas quando pudermos, dar-lhes moradia e cuidados de saúde e, em seguida, voltar-se para a reconstrução."

Até a noite de sábado, 12, as autoridades haviam confirmado a identidade de apenas duas vítimas e mal haviam começado a vasculhar a zona do desastre com equipes caninas. As autoridades atribuíram o ritmo da resposta, que muitos moradores criticaram como muito lento, à natureza avassaladora da destruição e ao afastamento de Maui, o que complicou a chegada de equipes de busca de fora do Estado.

As equipes da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências em Lahaina estão usando cães treinados para explorar muitas áreas, mas até os cães estão encontrando condições difíceis por causa do calor, disse a administradora Deanne Criswell ao programa Face the Nation da CBS News.

O que causou os incêndios em Maui?

Ainda não está claro exatamente o que desencadeou os incêndios florestais no Havaí. "Não sabemos o que realmente iniciou os incêndios. Mas fomos informados com antecedência pelo Serviço Nacional de Meteorologia de que estamos em uma situação de bandeira vermelha", disse na quinta-feira, 10, o major-general do Exército Kenneth Hara, que lidera o Hawaii National Guarda. Ele disse que três fatores preparam o cenário para os riscos de incêndio: meses de seca, baixa umidade e ventos fortes.

À medida que o planeta esquenta, fica claro que mesmo um lugar tropical como o Havaí, conhecido pelas florestas tropicais e colinas verdejantes, está cada vez mais suscetível a incêndios florestais. As ilhas há muito tempo têm trechos áridos de campos de lava e pastagens mais secas, com chuvas variando de um lado da ilha para o outro. Nos últimos anos, o Estado também viu quedas de longo prazo na precipitação média anual, cobertura de nuvens mais finas e seca induzida pelo aumento das temperaturas

Quando os incêndios começaram?

Os incêndios começaram pouco depois da meia-noite de terça-feira, 8, disse o chefe dos bombeiros do condado de Maui, Brad Ventura, em uma entrevista coletiva na tarde de quinta-feira. O primeiro incêndio em torno do alto Makawao queimou cerca de 270 hectares, disse ele. Por volta das 11h, o incêndio em Lahaina começou a devastar a cidade histórica, alimentado por rajadas de vento de até 96 quilômetros por hora. Por volta do meio-dia de terça-feira, outro incêndio começou em Kula, provocando a evacuação de áreas residenciais próximas. Então, por volta das 18h, um quarto incêndio começou na Pulehu Road, no vale central, "queimou várias centenas de acres".

Quais áreas foram afetadas pelos incêndios no Havaí?

Os incêndios afetaram gravemente Maui e destruíram centenas de acres em regiões como Kula, North Kohala e South Kohala. A extensa cidade turística de Lahaina, no oeste de Maui, que tem cerca de 13 mil habitantes, também foi duramente atingida. A tenente governadora do Havaí, Sylvia Luke, disse que a cidade histórica foi "dizimada" e "mudada para sempre". O Pioneer Inn em Lahaina, o hotel mais antigo em operação contínua no Havaí, foi destruído.

Os incêndios ainda estão acontecendo?

Segundo um comunicado divulgado pelo Condado de Maui, até a noite de domingo, o incêndio em Kula estava 60% contido. Já em Lahaina, 85% do fogo havia sido contido, enquanto em Puleu a estimativa era de 100% de contenção.

As autoridades chamam a atenção, porém, que mesmo quando um incêndio está 100% contido, isso não significa que foi extinto, mas sim que os bombeiros têm o incêndio totalmente cercado por um perímetro, dentro do qual ainda pode queimar. O único foco de incêndio declarado extinto até o momento pelo Condado de Maui, ou seja, que não há mais nada queimando, foi em Kaanapali.